Croatia Sacra Paulistana

A Sociedade Croatia Sacra Paulistana tem como principal objetivo promover, difundir e preservar as tradições, os valores e a cultura croatas.

Ela foi fundada por imigrantes croatas que vieram para o Brasil e estabeleceram-se na cidade de São Paulo, unindo-se às gerações anteriores de croatas que já viviam na cidade. A maioria dos fundadores veio para o país nas décadas de 1940 e 1950, de modo a se afastarem da Segunda Guerra Mundial e do regime comunista que se instaurou em seguida.

2367866_full-lnd

© FIFA.com

Como a comunidade croata se reunia com alguma frequência, aos poucos foi se formando a concepção de que era necessário fundar uma sociedade de croatas no Brasil, e que a mesma deveria possuir uma sede. Em 1948 essa ideia se fortaleceu e, unidos em torno da construção de um lar croata em São Paulo, os croatas criaram a sociedade Croatia Sacra Paulistana (CSP), em cuja primeira direção entraram os membros seguintes: Martin Kraml (presidente), Zvonimir Matijaščić (primeiro secretário), Stjepan Cincibuch (primeiro tesoureiro), Ivan Šuto, Ivan Bušić, Emil Pašuld, Stjepan e Franjo Vedrenjak (membros de conselho). A sociedade progrediu depressa, contando, já em 1950, com mais de cem sócios.

A pedra fundamental da sede da sociedade foi lançada em 1956 e, em 1957, com esforço e sacrifício de seus membros e com a ajuda inestimável de amigos brasileiros, foi construída a sede da Sociedade Croatia Sacra Paulistana, chamada de Dom Kardinala Alojzija Stepinca (Lar do Cardeal Alojzije Stepinac). A inauguração se deu no dia 27 de abril de 1957, um sábado, com muitos croatas e brasileiros presentes. No evento, duas meninas, à entrada do local, cortaram duas fitas das cores das bandeiras croata e brasileira, abrindo simbolicamente as instalações do Lar Croata de São Paulo e selando as relações entre os dois povos.

A casa é um lugar de eventos importantes na vida da comunidade croata em São Paulo e é um exemplo de todos os esforços que têm sido feitos por seus membros para promover e manter a nação croata. Possui um grande salão para festas e espetáculos, cozinha, bar e uma série de salas menores. Citando Nikica Talan, pode-se dizer que “É difícil de imaginar qual teria sido o destino dos croatas brasileiros dispersos pela maior metrópole sul-americana, se não tivessem construído essa sua sede grandiosa – com certeza o fator mais importante da preservação da consciência nacional croata”.

O Cardeal Alojzije Stepinac, que dá nome ao lar, foi beatificado em 3 de outubro de 1998 pelo Papa João Paulo II, reconhecido pelo seu trabalho pastoral e também pelo sofrimento e pela perseguição que sofreu até sua morte, em 1960.

50 anos de história

Em 2007 houve uma comemoração do aniversário de 50 anos do Lar, na qual estiveram presentes ilustres convidados, como o Embaixador da República da Croácia no Brasil, Rade Marelić; o cônsul honorário da República da Croácia em São Paulo, Oswaldo Julio Müller da Silva; o deputado estadual Aloisio Vieira e o vice-presidente do Conselho Municipal do município de São Paulo, Adilson Amadeu. Algumas fotos da comemoração podem ser vistas abaixo.

A abertura da cerimônia, em consonância com a inauguração do Lar cinquenta anos antes, foi realizada com a presença do Padre Renato Leite, do Instituto do Bom Pastor no Brasil, o qual abençoou o local e todos os presentes.

Nesta cerimônia, além dos discursos proferidos pelo Embaixador Marelić, pelo deputado Vieira e por Dubravka Šuto, então presidente da Croatia Sacra Paulistana, o vice-presidente do Conselho Municipal do município de São Paulo, Adilson Amadeu, presenteou o Lar com uma placa homenageando seus fundadores e benfeitores, na qual pode-se ler:

Homenagem aos Fundadores: Idealizadores Intelectuais e Benfeitores da construção da sede própria “Lar Croata Cardeal Stepinac”.

Homenagem aos Fundadores: Idealizadores Intelectuais e Benfeitores da construção da sede própria “Lar Croata Cardeal Stepinac”.

Idealizadores Intelectuais
Reverendo Professor Doutor Josip Dinko Mravak
Ivan Šuto
Ivan Bušić
Professor Anton Bonifačić
Engenheiro Zvonimir Matijaščić
Engenheiro Ante Barbarić
Martin Kraml
Julio Deutschmann
Ivan Gracek
Stjepan Cincibuch
Alexandre Golubić
Branko Mervar
Vlastimir Drobac 

Benfeitores Doadores do Terreno
Ivan Gracek
Ana Čapo
Stjepan Cincibuch
Alexander Golubić
Francisco Vedrenjak
Estevão Vedrenjak
Julio Deutschmann
Professor Ante Bonifačić
Ivan Keller
Martin Kraml
Colégio São Luis

Os discursos ressaltaram o papel da Sociedade na preservação da identidade nacional e cultural dos croatas em São Paulo, criando a possibilidade de sobrevivência da língua nesta tão grande cidade e fortalecendo os laços entre os dois países.

Por fim, a cerimônia foi encerrada com a leitura de poemas em língua croata escritos por Ivan Sesar, membro da comunidade do Lar.